Horizontina 60 anos - O Moinho a Serraria e a Ferraria

A história do desenvolvimento industrial e tecnológico de Horizontina esta estreitamente ligada à história da própria Schneider Logemann. A sua importância fundamental na economia do município era notada pelo Prefeito Municipal em 1962, que escreveu no seu relatório que “se afastássemos de nossa cidade a indústria da firma Schneider Logemann e todos os elementos a ela ligados notaríamos a redução considerável da cidade”. O Prefeito Pedro Paulo Barriles, usou o argumento para mostrar a importância da construção de um frigorífico na cidade, que aumentaria ainda mais o parque industrial de Horizontina.

As origens da empresa estão no projeto de colonização do município que permitiu a acumulação do capital necessário para desenvolver o seu projeto industrial.

A historiografia econômica do Rio Grande do Sul, também tem demonstrado que o desenvolvimento industrial de Porto Alegre está estreitamente ligado ao desenvolvimento da colonização do centro-norte do Estado. Graças a produção agrícola das colônias, a capital pode suplantar Pelotas e Rio grande, cidades que se constituíam de importantes polos industriais no final daquele século.

No caso da Schneider Logemann sua história tem raízes na iniciativa do Engenheiro Frederico Jorge Logemann de colonizar a atual Horizontina. Paralelamente ao comércio de terras o empresário alemão motivado por Balduino Schneider e depois seu sócio, instalaram uma serraria, uma ferraria e um moinho. Gradativamente, pela criatividade de seus sócios e sucessores, a ferraria seria transformada na importante empresa que hoje é. O capital acomulado pelas diversas atividades da empresa foi aplicada no próprio município, permitindo a construção de um grande complexo industrial.

Numa região de abundância de madeiras, desde o início da colonização surgiram as serrarias. A primeira a ser instalada em Horizontina foi a de Pedro Werlang, já em 1929. Em 1952 ainda existiam 25 estabelecimentos desse tipo conforme dados do IBGE. A crescente produção agrícola exigia também a presença de moinhos para moer os cereais que logo foram instalados. Eram 9 em 1952.

Estes dados são importantes e mostram a produção industrial de Horizontina. Em 1952. Vamos mostrar o tipo de indústria e o valor da sua produção. HORIZONTINA TINHA:

25 Serrarias que produziram: CR$ 2.065.050,00

09 Moinhos de Trigo e Milho que produziram: CR$ 3.126.718,00

06 Olarias (cerâmicas) que produziram: CR$ 257.240,00

03 Selarias ( artigos de couro) que produziram: CR$ 161.480,00

02 Fábricas de Bebidas que produziram: CR$ 153.819,00

01 Beneficiamento de Arroz que produziu CR$ 122.337,00

01 Padaria que produziu CR$ 166.075,00

03 Fabricas de água ardente que produziram CR$ 46.400,00

01 Fábrica de máquinas Agrícolas que produziu CR$ 540.000,00

Dados do município, fornecidos pelo IBGE e que faziam parte do Projeto de Emancipação de Horizontina na Assembleia Legislativa. Projeto de Lei Nº 409/54

No próximo texto a compra da área de terras onde por anos funcionou a SLC – Fábrica I. Até lá.