Horizontina 60 anos - SLC o começo da empresa.

  • A primeira trilhadeira. Foi adquirida por Carlos Sapiezinski -Momento em que saia da fábrica.

    Assunto: Município  |   Publicado em: 26/02/2015 às 08:38   |   Imprimir

A Schneider Logemann entrou no ramo em 1945, quando o Sr. Balduino Schneider e o engenheiro Frederico Jorge Logemann adquiriram do Sr. Frederico Plegge e sua mulher “uma serraria movida à força motriz por intermédio de um motor marca OTTO DEUTZ, com capacidade de 40 HP, o qual gera à gasogênio”. Foi adquirido também os equipamentos geradores de energia elétrica: um dínamo Siemens Schukert, de 36 KW, um dínamo Pirelli, de 15 KW e toda  a rede de distribuição de energia instalada “na vila e arredores”. No contrato consta ainda o moinho, com 4 jogos molares, um descascador de arroz e um “estabelecimento de serra circular simples e uma instalação de serra horizontal. Bem como a área de terra onde tudo o acima estava instalado”. O valor da compra foi estipulado em Cento e vinte mil Cruzeiros (CR$120.000,00) conforme o contrato particular de promessa de compra e venda que entre si fazem o casal Frederico Plegge como vendedores e os compradores Frederico Jorge Logemann e Balduino Schneider, Vila Horizontina, 14 de junho de 1945. (Documento do arquivo particular da empresa Schneider Logemann.)

A sociedade assim formada, denominou-se “Schmeider & Logemann”. Em 1949, a empresa transformou-se em “ Schneider, Logemann & Cia. Ltda”, com a entrada dos novos sócios: Arnoldo Schneider, Eliseu Ullmann e Jorge Antonio Dahne Logemann, conforme o contrato de sociedade de quotas de responsabilidade limitada, assinado em janeiro de 1949.

Uma interessante noção das atividades da serraria nos foi dada através da visão do funcionário Lindolfo Scherer, responsável pelo motor a gasogênio, mais conhecido como motor a gaz pobre, que fornecia energia. Segundo seu depoimento, “trabalhava da manhã à noite, em media até a ½ para que o hospital pudesse atender aos serviços de urgência”. Algumas vezes, o seu Lindolfo “ficava de madrugada cuidando do motor, para proporcionar a luz para os jogos de bolão ou mesmo baile, que aconteciam no clube”. Mais tarde o funcionário passou a auxiliar os serviços de puxar tora, do mato para a serraria da firma, ocupando em seguida o cargo de serrador. “Estes trabalhos duraram até 1966 quando já escassa a madeira na região, a empresa deliberou por instalar deposito e posto de compras de madeira em São Miguel d´Oeste – SC.

Nos anos 40, a extração de madeira e agricultura consistiam na principal atividade  econômica do município. Essas atividades exigiam ferramentas, na época relativamente simples, que não eram produzidas no local, Para atender essa demanda, Frederico Logemann  e seu sócio Balduino Schneider instalaram uma ferraria e uma carpintaria, passando a fornecer serras circulares, serras de fita e lixadeiras, para beneficiar madeiras. Logo em seguida, a pequena empresa dedicada aos colonos ampliou a capacidade tecnológica, produzindo trilhadeiras. A primeira trilhadeira foi fabricada em 1947, utilizando-se como modelo uma máquina trazida de Caxias do Sul. O sócio Balduino Schneider desmontou o equipamento e passou a reproduzir as peças e montar as primeiras trilhadeiras na própria oficina. Em 1948, a produção ampliou-se ainda mais com a fabricação de Serrarias, Desempenadeiras e tupias.